Foi Você Quem Pediu Para Eu Contar Minha História
\ \

Foi Você Quem Pediu Para Eu Contar Minha História

SESI/FIEMG e RUBIM PRODUÇÕES apresentam nos dias 19 e 20 de setembro o espetáculo “Foi Você Quem Pediu Para Eu Contar Minha História”, com texto da francesa Sandrine Roche, adaptado por Thereza Falcão e com direção de Guilherme Piva. No palco, Fernanda Vasconcellos, Bianca Castanho, Karla Tenório e Talita Castro dão vida a quatro meninas que brincam de inventar histórias. Elas apresentam suas memórias, mais ou menos reais, seus medos, suas vidas sonhadas. Através de um jogo, à primeira vista inocente, e a partir de temas que elas abordam, como a feminilidade, a misoginia, o status social e o corpo da mulher, observamos como essas meninas podem ser – com elas mesmas e com os outros – cruéis, perversas, bem humoradas, ambivalentes e, assustadoramente, lúcidas.

Segundo Guilherme Piva, o foco da montagem foi trabalhar com as atrizes a agilidade e rapidez com que as crianças entram e saem de histórias e estados emocionais. “Tenho muito interesse em pesquisar e entender como infâncias interrompidas de amor, afeto, regras e cuidados se reorganizam e sobrevivem nesse mundo. Outro ponto que trabalhamos muito foi o jogo que se estabelece entre crianças que se encontram na mesma situação de desamparo. Como seria a amizade entre essas crianças? Quais seriam suas brincadeiras e escapes?” – conta o diretor.

 NeufPetitesFilles(push&pull), de Sandrine Roche, é um texto contemporâneo, inédito no Brasil, com uma ampla difusão internacional justamente neste ano – França, Canadá, Estônia e Brasil. O texto, vencedor da Jornada de Lyon de Autores Teatrais 2011, sendo publicado pela ÉditionsThéâtrales, foi escrito e realizado em uma parceria da Associação Perspective Nevsky com o ThêatreduCercle (Rennes).

“As meninas que eu coloco em cena questionam a sociedade, os corpos e os discursos confusos. Como o indivíduo se constrói? Com quais meios? Quais referências de palavras, de comportamentos? Será o vocabulário que determina a pessoa ou a pessoa que escolhe o seu vocabulário? Será que as imagens dos corpos nos constroem ou nós que moldamos o nosso próprio corpo para nos tornarmos o que somos?” – afirma Sandrine Roche. 

SOBRE A AUTORA

Sandrine Roche. Francesa e propõe um teatro que testemunha o estado da nossa sociedade atual. Ela inventa novas formas de narrativas ao mesmo tempo engajadas e não pedagógicas que possibilitam aos espectadores pensar enquanto sonham no acontecimento teatral.

SOBRE O DIRETOR

Guilherme Piva. Ao longo de duas décadas na TV, atuou em mais de vinte e cinco novelas, minisséries e especiais. No cinema, participou, entre outros, dos longas “Madame Satã”, “O inventor de sonhos” e “Paraíso, aqui vou eu”. No teatro, sua ampla experiência como ator o levou a direção, estreando com o elogiado monólogo “A mulher que escreveu a Bíblia”, no Teatro dos Quatro, seguindo para diversas cidades do país. Sua mais recente direção “Como é cruel viver assim”estreou em 2014 no Teatro Laura Alvim.

  • Data
    19 e 20 de setembro de 2015, sábado às 20h e domingo às 19h
  • Local
    Teatro Sesiminas - Rua Padre Marinho, 60 - Santa Efigênia
  • Direção
    Guilherme Piva
  • Elenco
    Fernanda Vasconcellos, Bianca Castanho, Karla Tenório e Talita Castro